terça-feira, 16 de junho de 2015

Resenha: A Chave de Sarah - Tatiana de Rosnay



Título: A Chave de Sarah
Autor: Tatiana de Rosnay
Páginas: 400
Edição: 2ª
Editora: 
Suma
Ano: 2008
Gênero: Drama/História



Sinopse: Julia Jarmond é uma jornalista Americana que vive em Paris há 25 anos e é casada com o arrogante e infiel Bertrand Tézac, com quem ela tem uma filha de onze anos. Julia escreve para uma revista americana, e seu editor pede que ela cubra o sexagésimo aniversário da grande concentração no Vélodrome d'Hiver - um estádio no qual dezenas de milhares de judeus ficaram presos antes de serem enviados para Auschwitz. 

Ao se aprofundar em sua investigação, Julia constata que o apartamento para o qual ela e o marido planejam se mudar pertenceu aos Starzynski, uma família judia imigrante que fora desapossada pelo governo francês da ocupação, e em seguida comprado pelos avós de Bertrand. Ela resolve descobrir o destino dos ocupantes anteriores. É revelada então a história de Sarah, a única sobrevivente dos Starzynski.

A família de Sarah foi uma das muitas brutalmente arrancadas de casa pela polícia do governo colaboracionista francês. Michel, irmão mais novo da garota, se esconde em um armário, e Sarah o tranca lá dentro. Ela fica com a chave, acreditando que em poucas horas estará de volta. Julia é então impelida a retraçar a sofrida jornada de Sarah em busca de liberdade e sobrevivência, dos terríveis dias em campos de concentração aos momentos de tensão na clandestinidade, e por fim seu paradeiro após a guerra. E à medida que a trajetória da garota é revelada, mais segredos são desenterrados.

Ao escrever sobre o passado da França com uma clareza implacável, Tatiana de Rosnay oferece em 'A Chave de Sarah' um contundente retrato da França sob a ocupação nazista, revelando tabus e negações que circundam este doloroso período da História francesa.



"Em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, a França foi ocupada pelos nazistas. Com a rendição francesa, o país foi separado em duas zonas, uma ocupada pelos alemães e a zona livre de Vichy, governada por franceses leais e submissos ao governo alemão. Paris encontrava-se dentro dessa zona livre, fazendo parte de um Estado-Fantoche francês de 1940 a 1944. Em junho de 1942, acontece Le Rafle du Velódrome d’Hiver. O maior aprisionamento em massa de judeus ocorrido na França durante a Segunda Guerra.
Aproximadamente 13.000 judeus, em sua maioria, mulheres e crianças, foram aprisionados e , posteriormente, transferidos para o campo de deportação de Drancy, próximo a Paris. E assim, deportados para Auschwitz."


"A Chave de Sarah" foi um livro apresentado por meu pai. Inclusive o filme.

Cenário: França, Segunda Guerra Mundial. 
Quando a família de Sarah Starzynski é brutalmente arrancada de seu apartamento pela polícia francesa, e levada para Vélodrome d'Hiver, afim de proteger seu irmãozinho, esconde-o levando a chave embora, pois voltaria para buscá-lo depois...

Julia Jarmond, é uma jornalista americana que recebe a missão de cobrir o 60° aniversário de Vélodrome d'Hiver. Ao se aprofundar em suas pesquisas descobre um passado misterioso que ronda a família de seu repugnante noivo, Bertrand Tézac. Um passado que tem forte ligação com sua pesquisa e que revelará muitos segredos...

O livro nos conta o doloroso drama vivido pelas famílias judias no período da Segunda Guerra Mundial, principalmente a trajetória de Sarah.
Acompanhamos também um pouco da vida de Julia, a jornalista que se vê grávida aos quarenta anos de idade, nos dias atuais.
Trazendo assim uma narrativa intercalada entre os dois tempos.

Já li muitos livros que tem como cenário o período mais terrível da história da humanidade. E, de cara, este foi o mais triste.










"O monumento era de mármore negro com
letras douradas desbotadas. Havia sido erigido em 1965 pelo prefeito de Beaune-la-Rolande. Uma estrela de Davi dourada havia sido gravada no topo. E havia nomes. Nomes sem fim. Notei dois nomes que haviam se tornado dolorosamente familiares: “Starzynski, Wladyslaw. Starzynski, Rywka.” ... No mármore preto, não havia qualquer menção de que apenas a polícia francesa havia sido responsável pela administração do campo e por tudo o que acontecera atrás do arame farpado."











15 comentários:

  1. Ja vi falarem do filme, mas não sabia que tinha livro.
    Parece ser um livro bom e triste ao mesmo tempo, não sei se leria, acho que teria que me preparar muito, posso estar enganada mas me pareceu um livro meio maçante, e é?
    Bom, otima dica e quem sabe eu tenha a oportunidade de ler
    http://odiariodoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É triste sim. Mas não diria maçante. Gostei da leitura. Livros assim me chamam a atenção.
      Se puder, leia sim :)

      Beijinhoss...

      Excluir
  2. Olá!
    Não conhecia o livro e nunca assisti o filme.
    Confesso que não gosto muito de livros com essa temática, então essa é uma dica que eu vou deixar passar.
    Beijos!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jess!
      Obrigada pela visita!

      Beijinhoss...

      Excluir
  3. Lullys lindona não conhecia o livro e dessa vez não me chamou atenção, ainda com mais esse cenário triste da época, quem sabe em outro momento eu leia. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Joyce, sua linda :)
      Triste mesmo, mas uma realidade vivida por anos, por milhares de pessoas... E a parte histórica do livro é o que mais chama a atenção. (pra im, que aprecio história, gostei muito)
      Dê uma chance para a leitura quando puder :)

      Beijinhoss...

      Excluir
  4. Olá,
    Livros que tratam da situação dos judeus na II Guerra Mundial são muito tristes mesmo, eu particularmente me sinto muito atraida a ler esses livros e, por isso, já quero ler "A chave de Sarah". Adorei o blog, bjus!!!
    http://lendoaestante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Garanto que vai gostar da leitura :)

      Beijinhoss...

      Excluir
  5. Lembro de ter visto esse livro há algum tempo numa livraria. Mas sempre resisto a histórias que se passaram durante o Nazismo. Já vi muitos filmes sobre esse tema e é tudo tão triste; acabo ficando deprimida. bjs

    https://valisedepalavras.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele realmente deixa a gente meio assim Aninha, mas é um bom livro :)

      Beijinhoss...

      Excluir
  6. Olaa
    Caramba, não conhecia o livro mas com certeza chamou minha atenção, adorei o enredo, muito interessante, sua resenha ficou ótima e espero ler em breve caso tenha oportunidade.

    Beijos
    Reality of Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Catharina!
      Espero que possa ler logo. Vai gostar!

      Beijinhoss...

      Excluir
  7. Oi Lullys!
    Não conhecia o livro e já em encantei!
    Eu amoo me emocionar com estes livros neste cenário dramático da Segunda Guerra!
    Vou anotar aqui p ler!!
    Bjos
    Aline Praça
    www.leituravipblog.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline!
      Espero que goste!

      Beijinhoss...

      Excluir
  8. Oi, tudo bem?
    não conhecia o livro, mas fiquei bem interessada. Só de envolver a segunda guerra mundial, e perseguição judia, já imaginava que fosse ser triste, mas daí a ser o mais triste que você já leu me deixa tanto curiosa, quanto apreensiva. É um livro que eu leria, com certeza, mas no momento certo, que não é agora, rs
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir